Um só Deus, uma só Fé
Acesse sua conta Login
Faça parte Cadastrese!
Arautos do Evangelho
Arautos Podcast contato Contato Rezem por mim
  Livro Dr Plinio de Mons João Clá

Um só Deus, uma só Fé
Redação - 2016/06/22

De Jesus Cristo e dos Apóstolos, recebeu a Igreja sua doutrina. E é um absurdo pretender que seja necessária certa restauração e regeneração para reconduzi-la à sua primitiva incolumidade.

É verdadeiramente com profunda dor e com a alma opressa pela tristeza que nos dirigimos a vós, a quem vemos cheios de angústia à vista dos perigos aos quais está exposta nestes tempos a Religião por vós tanto amada. Poderíamos com toda razão dizer que esta é a hora do poder das trevas para joeirar como o trigo os filhos eleitos (cf. Lc 22, 53).

Gregório XVI, por Francesco Podesti Pinacoteca Cívica, Ancona - Itália.jpg
 "Não se esqueçam os fiéis de que o
Matrimônio é uma coisa sagrada"


Gregório XVI, por Francesco Podesti
Pinacoteca Cívica, Ancona (Itália)

Devemos levantar a voz

De fato, "a terra foi profanada por seus habitantes, porque transgrediram as leis, violaram as regras e romperam a aliança eterna" (Is 24, 5). Referimo-nos, veneráveis Irmãos, às coisas que vedes com vossos próprios olhos e todos lamentamos com as mesmas lágrimas. É o triunfo de uma malícia desenfreada, de uma ciência despudorada, de uma ilimitada devassidão. Despreza-se a santidade das coisas sagradas; e a majestade do culto divino, tão poderosa e necessária, é censurada, profanada e escarnecida.
Corrompe-se assim a santa doutrina e se espalham atrevidamente por toda parte erros de todo gênero. As sagradas leis, os direitos, as instituições, os santos ensinamentos: nada está a salvo dos ataques das línguas iníquas. [...]

Devemos, pois, elevar a voz e envidar todos os esforços para que o javali selvagem não destrua a vinha nem os lobos rapaces devastem o rebanho. Compete-nos conduzir as ovelhas apenas a pastagens salutares, sem qualquer sombra de perigo. Deus não permita, caríssimos Irmãos, que em meio a tão grandes males e graves perigos, os pastores traiam seu dever e, amedrontados, abandonem suas ovelhas; ou se entreguem a um indolente repouso, sem preocupar-se com a situação de sua grei. [...]

Pretende-se rebaixar a Igreja a coisa humana

Reprovável seria, em verdade, e contrário à veneração com a qual devem ser recebidas as leis da Igreja, condenar, por um caprichoso impulso de liberdade de opinião, a disciplina sancionada por ela - que abarca a administração das coisas sagradas, a regra dos costumes, os direitos da Igreja e de seus ministros -, ou censurá-la como oposta a determinados princípios do direito natural, ou apresentá-la como defectiva e dependente do poder civil.

Sendo certo, conforme nos atestam os Padres do Concílio de Trento, que de Jesus Cristo e de seus Apóstolos a Igreja recebeu sua doutrina, e que o Espírito Santo nunca cessa de sugerir-lhe toda a verdade, é completamente absurdo, além de injurioso em alto grau, pretender que seja necessária certa restauração e regeneração para reconduzi-la à sua primitiva incolumidade, dando-lhe novo vigor, como se possível fosse sequer pensar que a Igreja está sujeita a defeitos, à ignorância ou quaisquer outras imperfeições.

Pretendem com isso os inovadores lançar os fundamentos de uma instituição humana moderna e realizar assim aquilo que São Cipriano tanto detestava: rebaixar a Igreja, de instituição divina, a coisa humana. [...]

Causa rubor falar de tão torpes intentos

Queremos também estimular vosso grande zelo pela Religião contra a vergonhosa liga que, em ­prejuízo do celibato clerical, cresce a cada dia, porque aos falsos filósofos de nosso século se juntaram alguns eclesiásticos que - olvidando a dignidade de seu estado, e arrastados pela ânsia de prazeres - levaram a licenciosidade a ponto de em alguns lugares se atreverem a pedir pública e repetidamente aos governantes a abolição desta norma disciplinar.

Causa-nos rubor falar longamente de tão torpes intentos. Confiando em vossa piedade, vos recomendamos todo empenho em - conforme prescrevem os sagrados cânones - guardar, reivindicar e defender, em sua integridade e inviolabilidade, essa tão importante lei atacada de todos os lados pelos libertinos.

O Matrimônio legítimo não pode dissolver-se

Reclama também toda a nossa solicitude aquela união santa dos cristãos chamada pelo Apóstolo de grande Sacramento em Cristo e na Igreja (cf. Ef 5, 32; Hb 13, 4), para evitar que, por ideias pouco acuradas, se diga ou se intente algo contra a santidade ou a indissolubilidade do vínculo conjugal. Já vos recordou isto insistentemente em suas cartas nosso Predecessor Pio VIII, de feliz memória.

Contudo, aumentam sem parar os ataques dos adversários. Deve-se, pois, ensinar a todos que o Matrimônio, uma vez legitimamente contraído, não pode dissolver-se; por vontade de Deus, os esposos unidos pelo Matrimônio formam uma sociedade perpétua com vínculos tão estreitos que só se extinguem com a morte.

Não se esqueçam os fiéis de que o Matrimônio é uma coisa sagrada, e por isto está sob a jurisdição da Esposa de Cristo; tenham em vista as leis ditadas pela Igreja a este respeito; prestem-lhe uma obediência santa e escrupulosa, pois do cumprimento dessas leis dependem a eficácia, a força e a justiça da união conjugal.

Não admitam de forma alguma qualquer coisa contrária aos sagrados cânones ou aos decretos dos Concílios, e ponderem bem o inevitável fracasso das uniões contraídas contra a disciplina da Igreja, ou sem implorar a proteção divina, ou unicamente por leviandade, quando os esposos não pensam no Sacramento e nos mistérios por ele simbolizados.

Quem não está com Cristo, está contra Cristo

Outra causa de muitos dos males que afligem a Igreja é o indiferentismo, ou seja, a perversa ­teoria espalhada por toda parte, graças aos embustes dos ímpios, segundo a qual se pode conseguir a vida eterna em qualquer religião, desde que a pessoa tenha retidão e honradez nos costumes.

Em matéria de tal modo clara e evidente, podereis facilmente extirpar de vossa grei tão execrável erro. Se, como diz o Apóstolo, "há um só Senhor, uma só Fé, um só Batismo" (Ef 4, 5), aqueles que julgam poder chegar por qualquer rota ao porto da salvação entendam que, segundo a sentença do Salvador, estão contra Cristo, pois não estão com Cristo, e espalham miseravelmente, pois não recolhem com Cristo (cf. Lc 11, 23); por isso, com certeza perecerão eternamente aqueles que não tenham a Fé Católica e não a conservem íntegra e sem mancha.

Ouçam São Jerônimo que nos relata como, estando a Igreja dividida pelo cisma em três partidos, respondia sempre com integridade de alma quando alguém procurava atraí-lo para a sua causa: "Estou com quem permanece unido à Cátedra de Pedro". E não se iludam sob o pretexto de estarem batizados, pois a isto responde Santo Agostinho: "O ramo separado da videira conserva sua forma; mas de que lhe serve esta se ele já não vive da raiz?". [...]

Maria esmaga todas as heresias

E para que tudo isso se realize propícia e felizmente, elevemos nossos olhos e nossas mãos suplicantes à Santíssima Virgem Maria. Somente Ela esmaga todas as heresias. Ela é nossa maior confiança, e mesmo toda a razão de nossa esperança. Que Ela, com sua poderosa intercessão, obtenha o mais feliz êxito para nossos desejos, conselhos e atuação nesta situação de tão grave perigo para o povo cristão. (Gregório XVI. Excertos da Encíclica Mirari vos, 15/8/1832 - Tradução: Arautos do Evangelho)

Votar Resultado 15  Votos

Gostou desta página? Então comente e participe da nossa família! Se ainda não é usuário, basta se cadastrar. É simples, rápido e gratuito! Se já é usuário, basta fazer seu login.